Alimentação saudável: produtos bio e ecológicos

alt

Certamente muitos de vós vos vós as considereis o que é isso da comida bio e ecológica, que está tão em moda hoje em dia e que não há tanto era o “pão de cada dia”.

Certo, o mundo avança a melhor em muitos sentidos, mas em alimentação parece ser ao contrário, e cada vez mais se usam mais medicamentos (antibióticos, hormônios…) e produtos químicos (inseticidas, pesticidas…) para tratar da comida, e que não nos beneficiam em nada.

Por isso, a comida biológica e bio volta a estar em crescimento, a comida de toda a vida, para compreender. Mas embora pareça algo simples, não creiais que é fácil encontrar comida normal, que antes se podia ir pegar em qualquer jardim ou loja do povo. Mesmo com Internet, por exemplo, portais de confiana como www.qsinatural.com o que você pode comprar online.

Primeiro você gostaria de esclarecer que falar de alimentos “bio”, “orgânicos” ou “ecológicos” é exatamente o mesmo, é um tema de tradução ou simplesmente três formas de nomear diferentes para uma mesma coisa. No blog Da gulateca nos explicam a diferença entre estes termos (se é que se pode considerar que a tenha…): Qual é a diferença entre alimentos ECO, bio e orgânicos?

Neste artigo eu fiz um resumo de um artigo que a doutora em medicina natural e nutrição holística, Michelle Schoffro Cook, fez sobre esse tipo de alimentos.

Resumo de 15 razões para comer alimentos orgânicos:

1. Mais nutritivos

É de lógica, embora deixando de banda da lógica, há também estudos que o demonstram: os alimentos orgânicos são mais ricos em nutrientes do que outros tipos de alimentos. As pesquisas mostram que os produtos orgânicos têm mais vitamina C, antioxidantes e minerais, cálcio , ferro, cromo e magnésio.

2. Livres de nervos

Estão livres de neurotoxinas, toxinas que são prejudiciais para o cérebro e as células nervosas. Mas com certeza agora vos choque com o que vou dizer, na indústria alimentar atual, usa-se uma classe de pesticidas que inicialmente foram criados como gás nervoso na Primeira Guerra Mundial. Que sim, que são concentrações “não prejudicial” e que o corpo pode assumir, bla, bla, bla…mas vamos lá, que não deixa de ser o que é, e que querer lavar as mãos para continuar a utilizar este inseticida não faz com que seja menos perigoso. A indústria adaptou este gás para matar pragas sobre os alimentos. Muitos pesticidas são consideradas ainda neurotoxinas. Mas, em pleno século XXI continua preferindo usar essas neurotoxinas em vez de outra classe de pesticidas. (Você pode encontrar estudos da neurotoxicidad até o final do próximo ponto, que vão relacionados).

alt

3. Melhor para os pequenos da casa

Seguindo com o tema das toxinas, devemos dizer que em crianças afeta falar mais do que em adultos. São mais sensíveis a esse tipo de pesticidas. Por isso, os alimentos biológicos ajudam no bom desenvolvimento cerebral e corporal de crianças (embora não existam estudos a respeito concretos, não se pode dizer ao certo que seja assim). Sim, é certo que não há estudos a respeito e que ninguém pode garantir o que comer alimentos bio ou dos tratados com pesticidas tenha efeitos diferentes sobre o crescimento das crianças, mas postos a escolher porquê dar-lhes algo que sabemos que é larga, podendo comer alimentos bio? (Eps, não mezcléis leite pasteurizado ou cru, porque a triste SIM SE DEVE TENTAR, não mezclemos temas, por favor.). E existem estudos que se prodrían relacionar (1, 2, 3)

4. Autofábricas de pesticidas no interior do corpo (Discordo neste ponto)

Segundo comenta a Dra Michelle Schoffro Cook, 18% de todas as sementes geneticamente modificadas (e, portanto, os alimentos que crescem a partir delas) são projetadas para produzir seus próprios pesticidas. E segundo estudos recentes, estas sementes podem continuar produzindo pesticidas dentro do corpo (4), que é no que se baseia a doutora. Os mais “extremistas” chamam-lhes alimentos que são fábricas de pesticidas, eu não sei se diria tanto, mas a idéia de que algo que eu, como siga produzindo pesticidas dentro de mim não me dá nenhuma tranquilidade. Embora, neste ponto, há muitos prós e contras… De fato, atualmente, existem estudos que dizem o contrário, que os transgênicos não são prejudiciais para a saúde e até mesmo podem servir de ajuda (5, 6, 7). Assim que (…) o debate está servido!

5. Protecção das águas de nosso planeta

A Agência de Proteção Ambiental dos estados unidos. EUA. (EPA) estima que os agrotóxicos contaminam a fonte de água primária da metade da população dos estados unidos. EUA. A agricultura orgânica é a melhor solução para o problema. Outro motivo que é melhor escolher produtos orgânicos e bio, ajudar o nosso planeta, sim, aquele espaço em que vivem os seres humanos e que às vezes nos custa tanto ter ordenado e cuidado.

Alimentos bio biológicos orgânicos

6. Produção sustentável

A produção de alimentos orgânicos tem existido por milhares de anos e é uma opção sustentável para o futuro. Se paramos para pensar, veremos que com as técnicas de hoje em dia não podemos dizer o mesmo. Por quê? Porque as técnicas de produção ecológicas atuais são ruins: a ampla utilização de herbicidas, pesticidas, fungicidas e fertilizantes dão lugar a danos ambientais drásticas em muitas partes do mundo.

7. Comércio justo

A escolha de alimentos orgânicos, cultivados em pequenas fazendas orgânicas ajuda a garantir o sustento das famílias dos agricultores independentes. Isto que antes era de uma evidência e de uma coisa que se tinha como normal, hoje em dia é conhecido como comércio justo. E muita gente cada vez opta mais por alimentos de comércio justo.

8. Melhor sabor, se não que eu tenho a minha

A maioria dos alimentos orgânicos sabem melhor do que o equivalente cultivados com pesticidas. Isso não está provado cientificamente, mas é um facto. E se não, comei fruta ou legume da horta ecológica e, em seguida, de grandes cadeias como a Mercadona, Simply, Spar… sinto muito, mas são as que eu testei pessoalmente e posso garantir que é como comer plástico, fastidioso e sem textura ou cheiro que deveria ser. Embora ultimamente o Spar o que vou estão introduzindo produtos de proximidade e biológicos, e até mesmo ovos do número “0”, e estão me dando uma ilusão ao corpo, porque é comida “de verdade”. Mas ainda há muito que percorrer…Será que voltamos a ir por bom caminho? Vejamos se é apenas uma tendência de mercado, ou se tudo volta ao normal em breve…

9. Maturação de seu ritmo

Os alimentos orgânicos não estão expostos ao processo de maturação artificial com gás, como o são alguns tipos de frutas e legumes não orgânicas (como as bananas).

10. Exposição dos próprios agricultores

As fazendas orgânicas são mais seguras para os agricultores. Uma pesquisa da Harvard School of Public Health mostrou um aumento de 70% na doença de insônia (Remédios para insônia) entre as pessoas expostas a pesticidas. Escolher alimentos orgânicos significa que mais pessoas poderão trabalhar nas fazendas sem incorrer em um risco maior de contrair o mal de Parkinson ou outras doenças.

11. Sem destruir o habitat selvagem

Os alimentos bio e ecológicos apoiam o habitat da vida selvagem. A quantidade de pesticidas utilizados influenciam de forma negativa sobre a vida selvagem, é danificada por exposição a pesticidas.

alt

12. Menos risco de câncer

A alimentação orgânica pode reduzir o risco de câncer e, se o quereis bem é de lógica. A EPA, Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos considera que 60% dos herbicidas, 90% de fungicidas e 30% de todos os inseticidas são potencialmente cancerígenos. É razoável pensar que o rápido crescimento no percentual de câncer está relacionado, pelo menos em parte, com o uso desses pesticidas cancerígenos. Curta brincadeira, e já que hoje em dia se diz que quase tudo é cancerígeno, mas não é de admirar que se lhe levar ao corpo substâncias desse tipo. Há estudos que relacionam com mais casos de câncer e outros que dizem o contrário, como você pode ver nos estudos que agora vos ofereço a continucación, de novo… O debate está servido! (12, 13, 14). O problema de tudo isso é que é muito recente para ter estatísticas a longo prazo. Mas do meu ponto de vista, sempre que se possa, porque não escolher aquilo que já sabemos que não nos é prejudicial? Que passem pelo estudo em grande escala (nível mundial) aqueles que o escolhem, mas que não nos obriguem a psar por isso. Cada um é livre de escolher os alimentos que mais cria oportunos, processados, ecológicos, transgênicos, quilômetro zero… Isso já, cada um.

13. Menos uso de medicamentos (e de repercussão menos consumo…)

Escolher carnes orgânicas significa que diminuímos sua exposição a antibióticos, hormônios sintéticos e medicamentos com os que se tratam os não-orgânicos. Menos que lhe vamos dar ao nosso corpo. Assim, só pela escolha de alimentos como os de antigamente.

14. A dúvida de o que pode acontecer a longo prazo não existe com os alimentos biológicos

Os alimentos não biológicos não são estudados com profundidade e não se sabe com precisão os danos que podem causar, a longo prazo, ou seja, quando passam 20 anos ou mais. É muito recente para ter os dados de facto e embora já se sabe que, mesmo a curto são muito mais nocivos que os ecológicos, fica ainda por saber o que pode causar a longo prazo e para as gerações que estão por vir. A modo hipotético e sob estudos se sabe, mas não em evidência, porque ainda têm de passar anos para ter evidências reais. Sinceramente, eu preferia não fazer parte deste estudo, à escala global, que outros passem pelo tubo.

15. Manter a biodiversidade

Os alimentos bio e ecológicos também são bons para manter uma maior biodiversidade. A diversidade é fundamental para a vida do planeta. A comida geneticamente modificada e não orgânica concentra-se na monocultura de alto desempenho e está destruindo a biodiversidade. voltamos ao assunto de antes, tomar cuidado com o espaço em que vivemos, a Terra. Está nas mãos de todos nós, e parece que o ser humano é o único ser vivo do planeta que ainda não se tenha dado conta de que não se deve destruir a casa, se você não cuidar dele.

Referências:

  1. Agricultural fungicides are ‘bad news for neurons’, study suggests
  2. Thyroid cancer of pesticides: a brief review.
  3. Mechanisms underlying the thyroid cancer induced by glyphosate-based herbicide in immature rat hippocampus: envolvimento of glutamate excitotoxicity.
  4. Genetically modified food – MY ORGANIC FOOD CLUB 877-832-8289
  5. Transgenesis and the study of expression, cellular targeting and function of oxytocin, vasopressin and their de opioide.
  6. Genetically modified foods: safety, risks and public concerns—a review
  7. Maternal and fetal exposure to pesticides associated to genetically modified foods in Eastern Townships of Quebec, Canada
  8. Chemical Pesticides and Human Health: The Urgent Need for a New Concept in Agriculture
  9. Os efeitos dos pesticidas – Global Healing Center, Dr. Edward Group, DC, NP, DACBN, DCBCN, DABFM
  10. Environmental exposure to pesticides and the risk of Parkinson’s disease in the Netherlands.
  11. Why pesticides may cause Parkinson’s in some people – Medical News Today
  12. Câncer health effects of pesticides, Dr Catherine Vakil, Family Medicine Centre, Queen’s University, 220 Bagot St, Kingston, ON K7L 5E9
  13. Pesticides and cancer. Department of Cancer Epidemiology, Karolinska Institute and Radiumhemmet, Karolinska University Hospital, Stockholm, Sweden.(1)
  14. Pesticides_and_cancer – National Cancer COntrol Policy (2)

Comenta no Facebook

Compartilhe isso:

Eu gosto de:

Me gustaCargando…

Leave a Reply